Médicos orientam população sobre uso do marcapasso

No dia 23 de setembro comemora-se o Dia do Portador de Marcapasso, que é uma campanha nacional. O tema central como sempre é: “Tome uma medida de pulso! “.

Para celebrar esta data, a equipe de cirurgia cardiovascular e marcapasso do Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá (HG), em parceria com o Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, promovem uma série de ações educativas, envolvendo os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Na terça-feira (24.09), a partir das 14h, a equipe de cirurgia cardiovascular irá atender os pacientes já agendados no ambulatório do hospital. Além disso, irão tirar todas as dúvidas da população sobre os dispositivos, serão distribuídos folhetos com informações sobre os mitos e verdades em torno do uso do marcapasso cardíaco. 

O cirurgião cardiovascular e especialista em marcapasso, Dr. Gibran Roder Feguri, destaca que essas ações são para conscientizar a população sobre a importância do suporte aos portadores de dispositivos cardíacos eletrônicos implantáveis, conhecidos como marcapassos. 

“Temos que ensinar as pessoas como identificar alterações nos batimentos cardíacos, que podem ser indicativos de arritmias cardíacas, de uma forma bastante simples: pela medição (ou aferição) dos batimentos cardíacos através de do pulso radial”, afirma o cardiologista e cirurgião cardiovascular. 

O número de batimentos cardíacos considerados normais está entre 55 a 70 por minuto em repouso, ou de forma mais simples, um batimento por segundo. “Abaixo desse valor, quando ocorrem batimentos cardíacos lentos ou a pessoa apresenta sintomas como tonturas, escurecimento visual, desmaios, sente-se cansada e frequentemente ofegante, ela deve procurar um cardiologista para definição do diagnóstico. Pode ser um caso simples ou mesmo casos graves, com risco de vida e que necessite de um implante de marcapasso definitivo”, esclarece o médico.

Gibran explica que o marcapasso é um aparelho implantado em portadores de diversas doenças do coração e tem a função de observar e corrigir os defeitos do ritmo cardíaco, principalmente as bradicardias. “A partir do momento que é necessário sua implantação é aconselhável o retorno com a equipe que fez a operação para verificar o funcionamento do aparelho, bateria e observar os cuidados necessários para se ter uma vida normal”.

Atualmente, 22 milhões de pacientes são portadores de insuficiência cardíaca no mundo. Conforme os dados do Censo Mundial de Marcapasso e Desfibriladores, são implantados 199 dispositivos por milhão de habitantes no Brasil. No Chile são 216, na Argentina 382, no Uruguai 578 e em Porto Rico 606 marcapassos por milhão de habitantes.

O cardiologista relata que o usuário de marcapasso tem uma vida completamente normal, não existem interferências sobre o dispositivo. Contudo, ele revela que a quantidade de pessoas que usam o equipamento vem aumentando no país. “Isso está acontecendo porque a população está vivendo mais. Deste modo, o coração vai envelhecendo e trazendo consigo as doenças do ritmo, principalmente a frequência cardíaca baixa, aí vêm a necessidade de usar o equipamento e resolver a situação”, enfatiza Gibran.

Programação
14h – Consultas no ambulatório dos pacientes que são regulados no Sistema Único de Saúde;
15h – Entrega de panfletos sobre mitos e verdades;
15h30 - Monitoramento da frequência cardíaca;
16h – Exposição dos aparelhos de marcapassos.

Fonte: Soraya Medeiros

Convênios

Newsletter

CADASTRE-SE E RECEBA ARTIGOS E NOTÍCIAS SOBRE O HOSPITAL, SAÚDE E BEM-ESTAR.